Contador de acesso e visitas
Últimos assuntos
» Apostilas de Estudo
Seg Maio 31, 2010 10:51 am por Alberto Neto

» Evangelizar vale a pena?
Qui Maio 27, 2010 5:47 pm por Alberto Neto

» 4 Leis Espirituais
Sex Maio 14, 2010 4:59 pm por Alberto Neto

» Dinâmicas de Grupo
Sex Maio 14, 2010 3:53 pm por Alberto Neto

» Filhos do Rei
Seg Abr 26, 2010 1:52 pm por Alberto Neto

» Meu Chamado
Seg Abr 19, 2010 8:46 am por Alberto Neto

» [b]Haja o que houver... [/b]
Sex Abr 16, 2010 3:57 pm por Alberto Neto

» Conseguie Alberto
Qui Abr 15, 2010 5:09 pm por gabriel

» DEUS É FIEL
Sex Out 30, 2009 4:52 pm por Nayara Brito

» Apresentação
Ter Set 08, 2009 8:07 am por Nayara Brito

Conectar-se

Esqueci minha senha

Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante :: 1 Motor de busca

Nenhum

[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 18 em Dom Set 01, 2013 9:01 pm

REVELAÇÃO DE DEUS COM O UNIVERSO

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

REVELAÇÃO DE DEUS COM O UNIVERSO

Mensagem  Alberto Neto em Ter Out 14, 2008 1:04 pm

Há várias idéias concernentes à relação de Deus com este nosso universo. A modo de contraste entre essas falsas idéias e o ensino da Escritura, notemos:
I. NO SEU SER DEUS ESTÁ SEPARADO DO UNIVERSO.

Por toda a Escritura Deus está distinguido de Sua criação. Ele é um espírito puro, ao passo que todas as coisas e seres criados são pelo menos materiais em parte, com exceção dos anjos, tanto bons como maus. Deus é infinito; todas as coisas criadas são finitas. Deus é
eterno, tendo existido desde a eternidade. Isto não é verdade quanto a qualquer outra coisa. Deus é imutável. Nada mais o é. Deus é onipresente; nada mais é. Nem qualquer outra coisa possui os atributos de onipotência e onisciência da essência de Deus.

As Escrituras, portanto, refutam o panteísmo, o qual é definido por Strong como "aquele método de pensamento que concebe o universo como o desenvolvimento de uma substância inteligente e voluntária, contudo impessoal, que atinge o senso comum somente no homem. Ele, portanto, identifica Deus, não com cada objeto individual no universo senão com a totalidade das coisas" (Systematic Theology, pág. 55).
II. DEUS CRIOU O UNIVERSO.

1. O FATO.

Isto está declarado no primeiro verso da Bíblia. A Escritura, portanto, nega a eternidade da matéria. Ela também nega que o universo foi criado por um mau Espírito, como ensinaram os maniqueus. Também é negada a geração espontânea, idéia esta dos evolucionistas ateus. Mais ainda, negada é a teoria das emanações, teoria que com o panteísmo sustenta que Deus é da mesma substância com o universo e que o universo é resultado de sucessivas emanações do Seu ser.

2. A MANEIRA.

(1) Pelo faça-se.

Por isso queremos dizer que Deus falou o universo à existência. As seguintes passagens ensinam isto bem claramente:

"E a Palavra de Jeová foram feitos os céus e toda a hoste deles pelo bafo de Sua boca" (Salmos 33:6).

"Tema toda a terra a Jeová; espantem-se dEle todos os habitantes do mundo; porque Ele falou e foi feito; Ele mandou e o mundo permaneceu" (Salmos 33:8,9).

"Pela fé entendemos que os mundos formaram pela palavra de Deus" (Hebreus 11:3).

Claros exemplos da criação pelo faça-se acham-se em Gênesis 1, onde descobrimo-lo arquivado que "Deus disse: Haja luz... um firmamento... etc." e cada coisa na sua ordem surgiu à vida.

(2. Sem materiais previamente existentes.

"O que se vê não foi feito das coisas que se viam" (Hebreus 11:3).

Quando Deus chamara a existência os materiais do universo, Ele os amoldou segundo Sua vontade. Ele principiou sem nada. Só Ele é eterno. Todas as demais coisas saltaram de Sua mão criadora.

III. DEUS AGORA CONSERVA O UNIVERSO.

Deus desenvolve contínuo poder, por meio do qual Ele mantém a existência das coisas que Ele criou segundo a natureza que lhes comunicou. A Escritura ensinando sobre a infinitude e supremacia de Deus é suficiente para convencer-nos que Deus só é auto-existente e imutável; que o universo, portanto, deve ser sustentado e mantido por poder não inerente. E como devêramos esperar, então, quando achamos a Escritura fazendo os seguintes relatos:

"Tu és Jeová, ainda Tu só; fizeste o céu e o céu dos céus, com todos os seus exércitos, a terra e tudo que nela existe, os mares e tudo que esta neles, e Tu os conservaste a todos" (Neemias 9:6).

"Ó Jeová, Tu conservas os homens e os animais" (Salmos 36:6).

"Nele vivemos e nos movemos e temos nosso ser" (Atos 17:28).

"Ele é antes de todas as coisas e nEle tudo consiste" ! sustentam-se, "derivam sua perpetuidade" ! Dargan (Colossenses 1:17).

"... sustentado todas as coisas pela palavra do Seu poder" (Hebreus 1:3).

Foi provavelmente à conservação que Jesus se referiu, em parte, ao menos, quando disse: "Meu Pai trabalha mesmo até agora" (João 5:17). O descanso de Deus no sétimo dia da semana da criação não foi à cessão total da atividade, mas somente de Sua obra criadora direta.

IV. DEUS CONTROLA O UNIVERSO.

Da Escritura achamos que Deus não só é o criador e conservador do universo, mas o controlador dele. Ele não criou o universo então o abandonou: Ele agora governa ativamente toda à parte e toda atividade no universo. Este ensino está envolvido na declaração que Deus "opera todas as coisas segundo o conselho de Sua própria vontade" (Efesios 1:11).

As seguintes passagens também ensinam esta doutrina: Jó 37:3,4,6,10-13; Salmos 135:7; 104:14; Mateus 5:45; 6:26,30.

A doutrina do controle de Deus no universo não nega a realidade das segundas causas: ela meramente mostra que Deus como a primeira causa e o Criador de todas as segundas causas. Deus arranjou segundas causas de modo que Ele cumprisse Sua vontade. As leis físicas são reais: elas prevalecem em todos os casos, salvo onde Deus as afasta nos Seus atos miraculosos. Levanta-se o vapor, a chuva cai e o vento assopra segundo certas leis; mas Deus ordenou essas leis e Ele agora sustenta todas as coisas segundo Sua natureza original e Sua intenção por elas, de maneira que Deus é realmente Quem causa o vapor subir, a chuva cair e o vento assoprar. Negar a existência da lei é tolice. Representar a lei como operando independente de Deus é infidelidade.

O controle de Deus não cessa com as forças impessoais do universo: ele estende-se a todas as ações dos homens e as compreende. Isto se mostra pelas seguintes passagens: Êxodo 12:36; Salmos 33:14,15; Provérbios 19:21; 20:24; 21:1; Jeremias 10:23; Daniel 4:35; Isaías 44:28; Êxodo 9:12; Salmos 76:10; Provérbios 16:4; João 12:37,39,40; Atos 4:27,28.

Ver-se-á que o controle supra dos homens inclui seus atos maus bem como os bons. O controle de Deus dos atos maus humanos pode ser dividido em quatro espécies:

1. PREVENTIVO.

Gênesis 20:6; 31:24; Salmos 139:3; 76:10.

2. PERMISSIVO.

Salmos 81:12,13; Oséias 4:17; Atos 14:16; Romanos 1:24,28.

É sob o domínio da vontade permissiva ou controle de Deus que 1 Samuel 18:10 começa. Aqui nos é dito que "um espírito mau procede de Deus se apoderou de Saul". É assim que devemos entender o endurecimento e a cegueira de Deus para os pecadores, como em Êxodo 9:12; Romanos 9:18; João 12:40. É também a este domínio que devemos referir Atos 4:27,28, o qual tem a ver com a crucificação de Cristo. Deus ordenou que Cristo morresse sobre a Cruz, mas Ele meramente deteve o Seu poder coercitivo e permitiu a crucificação seguir sua própria inimizade natural contra Cristo. Em 2 Samuel 24:1 e 1 Crônicas 21:1 vemos prova de fato que algumas vezes na bíblia as coisas que Deus permite a outros cometerem são atribuídas a Ele. Em 2 Samuel 24:1 diz-se que Deus moveu Davi a numerar Israel, ao passo que, em 1 Crônicas 21:1, a mesma coisa é atribuída a Satanás.

3. DIRETIVO.

Gênesis 50:20; Isaías 10:5. Assim, enquanto Deus permite o pecado, Ele também o dirige para realizar tais propósitos como Lhe apraz que o pecado realize. P. W. Heward, Inglaterra, diz: "Os desejos do pecado são os desejos do homem: o homem é culpado: o homem é censurável. Mas o Deus todo-sábio impede que esses desejos produzam ações indiscriminadamente. Ele compele esses desejos a tomarem um certo curso divinamente estreitado. As torrentes da iniqüidade são dos corações dos homens, mas não lhes é concedido cobrirem a terra; trancam-se nos canais da soberana indicação de Deus e os homens inadvertidamente se prendem em limites, de modo que nem um jota do propósito de Deus falhará. Deus trás as enchentes dos ímpios ao canal de Sua providencia, a moverem o moinho do Seu propósito". Disse Agostinho: "Que o pecado dos homens procede deles mesmos; que ao pecarem eles executam esta ou aquela ação, é de Deus, que divide as trevas segundo o Seu prazer".

4. DETERMINATIVO.

Deus não só permite o pecado e o dirige, mas marca os limites além dos quais ele não pode ir e prescreve as linhas dos seus efeitos. Vide Jó 1:12; 2:6; Salmos 124:2; 1 Coríntios 10:13; 2 Tessalonicenses 2:7.


Autor: Thomas Paul Simmons, D.Th.

_________________
Que Deus te abençoe e te guarde.(Nm 6:24)
avatar
Alberto Neto
Admin

Mensagens : 221
Data de inscrição : 31/07/2008
Idade : 28
Localização : Fortaleza-CE

Ver perfil do usuário http://www.mibs12.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum