Contador de acesso e visitas
Últimos assuntos
» Apostilas de Estudo
Seg Maio 31, 2010 10:51 am por Alberto Neto

» Evangelizar vale a pena?
Qui Maio 27, 2010 5:47 pm por Alberto Neto

» 4 Leis Espirituais
Sex Maio 14, 2010 4:59 pm por Alberto Neto

» Dinâmicas de Grupo
Sex Maio 14, 2010 3:53 pm por Alberto Neto

» Filhos do Rei
Seg Abr 26, 2010 1:52 pm por Alberto Neto

» Meu Chamado
Seg Abr 19, 2010 8:46 am por Alberto Neto

» [b]Haja o que houver... [/b]
Sex Abr 16, 2010 3:57 pm por Alberto Neto

» Conseguie Alberto
Qui Abr 15, 2010 5:09 pm por gabriel

» DEUS É FIEL
Sex Out 30, 2009 4:52 pm por Nayara Brito

» Apresentação
Ter Set 08, 2009 8:07 am por Nayara Brito

Conectar-se

Esqueci minha senha

Quem está conectado
2 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 2 Visitantes

Nenhum

[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 18 em Dom Set 01, 2013 9:01 pm

A INSPIRAÇÃO DA BÍBLIA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A INSPIRAÇÃO DA BÍBLIA

Mensagem  Alberto Neto em Sex Set 26, 2008 1:31 pm

Temos visível evidência que a Bíblia é uma revelação de Deus. E é nos dito na Bíblia que Deus deu a revelação por inspiração. Se a Bíblia é a revelação de Deus, justo é deixá-la falar por si mesma sobre a sua própria natureza. É nosso propósito, então, inquirir neste capítulo do sentido e da natureza da inspiração, segundo o propósito testemunho da Bíblia.

No curso que estamos seguindo aqui observamos a razão no seu sentido mais elevado. Mostrou-se que a razão requer uma crença na existência de Deus. E apontou-se, além disso, que é razoável esperar uma revelação escrita de Deus. É da competência da razão, então, em relação à revelação, primeiro que tudo, examinar as credenciais de comunicações que professam ser uma revelação de Deus. Se essas credenciais forem satisfatórias, deve então a razão aceitar as comunicações como vindas de Deus; daí, aceitar as coisas apresentadas como sendo verdadeiras. "A revelação é o vice-rei que apresenta primeiro suas credenciais à assembléia provincial e então preside" (Liebnitz). Na maneira precitada "a razão mesma prepara o caminho para uma revelação acima da razão e garante uma confiança implícita em tal revelação quando uma vez dada" (Strong).

Acima da razão não é contra a razão. É apenas calvo racionalismo que rejeita tudo que não pode aprofundar ou demonstrar racionalmente. "O povo mais irrasoável do mundo é aquele que depende unicamente da razão, no sentido estreito" (Strong). O mero arrazoamento ou o exercício da faculdade lógica não é tudo da razão. A razão, no seu sentido lato, compreende o todo da força mental para reconhecer a verdade. A razão só pode rejeitar justamente aquilo que contradiz fatos conhecidos. E então, para estar seguro, a razão deve estar "condicionada em sua atividade por um santo afeto e iluminada pelo Espírito Santo" (Strong). A semelhante razão a Escritura não apresenta nada contraditório, conquanto ela faz conhecido muito, além do poder desajudado do homem para descobrir ou compreender completament

_________________
Que Deus te abençoe e te guarde.(Nm 6:24)
avatar
Alberto Neto
Admin

Mensagens : 221
Data de inscrição : 31/07/2008
Idade : 28
Localização : Fortaleza-CE

Ver perfil do usuário http://www.mibs12.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

MÉTODOS NA INSPIRAÇÃO

Mensagem  Alberto Neto em Sex Set 26, 2008 1:32 pm

O elemento miraculoso na inspiração, sem duvida, não pode ser explicado. E não temos nenhum desejo que o homem possa explicá-lo. Mas até um certo ponto, no mínimo, podemos discernir das Escrituras os métodos que Deus usou na inspiração. Um estudo dos métodos empregados deveria levantar nossa apreciação da inspiração.

(1) Inspiração por meio da revelação objetiva.

Algumas vezes se deu uma revelação direta e oral para ser escriturada, tal como foi o caso ao dar-se a Lei mosaica (Ex. 20:1) e tal como foi o caso, algumas vezes, com outros escritores (Dan. 9:21-23; Apo. 17:7).

(2) Inspiração por meio de visão sobrenatural.

Noutros casos deu-se uma visão sobrenatural com ou sem uma interpretação dela, como foi o caso com João na Ilha de Patmos.

(3) Inspiração por meio de Passividade.

Noutras vezes, quando não se nos dá evidencia de uma revelação externa de espécie alguma, os escritores foram tão conscienciosa e passivamente movidos pelo Espírito Santo que ficaram sabidamente ignorantes de tudo quanto escreveram, como foi o caso com os profetas quando escreveram de Cristo (1 Pedro 1:10).

(4) Inspiração por meio de iluminação divina.

Algumas vezes foi dada aos escritores tal iluminação divina como para habilitá-los a entenderem e aplicarem a verdade contida em prévias revelações, mas não feitas inteiramente claras por eles; como foi o caso com escritores do Novo Testamento ao interpretarem e aplicarem a Escritura do Velho Testamento (Atos 1:16, 17, 20; 2:16-21; Rom. 4:1-3; 10:5-11).

(5) Inspiração por meio da direção de Deus.

Em alguns casos os escritores foram meramente de tal modo guiados e guardados como para serem habilitados a recordar tais fatos históricos segundo Deus se agradou de os fazer recordar, quer fossem esses fatos pessoalmente conhecidos deles, ou obtidos de outros, ou revelados sobrenaturalmente. Todos os livros históricos são exemplos oportunos aqui.

(6) Inspiração por meio de revelação subjetiva.

Noutras vezes foi a verdade revelada através dos escritores por uma tal vivificação e aprofundamento do seu próprio pensar como para habilitá-los a perceber e recordar nova verdade infalivelmente, como parece ter sido o caso com Paulo em muitas das suas epístolas.

Somando-o tudo, podemos dizer que o processo de inspiração consistiu de tais meios e influências como aprouve a Deus empregar, segundo as circunstancias, para poder dar-nos uma revelação divina, completa e infalível de toda a verdade religiosa de que precisamos durante esta vida. Ou podemos dizer com A. H. Strong: "Pela inspiração das Escrituras queremos significar aquela influência divina especial sobre as mentes dos escritores sagrados em virtude da qual suas produções, à parte de erros de transcrição, quando justamente interpretadas, constituem juntas uma regra de fé e prática infalível e suficiente".

Autor: Thomas Paul Simmons, D.Th.

_________________
Que Deus te abençoe e te guarde.(Nm 6:24)
avatar
Alberto Neto
Admin

Mensagens : 221
Data de inscrição : 31/07/2008
Idade : 28
Localização : Fortaleza-CE

Ver perfil do usuário http://www.mibs12.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum